Facebook: Anúncio de Clínica de Aborto no Brasil é questionada por internautas!

Foto de Marcus Tavares
Por

Internautas se perguntam como o Facebook pode permitir a vinculação desse tipo de propaganda

Imagem de Facebook: Anúncio de Clínica de Aborto no Brasil é questionada por internautas!
Anúncio

Quando o assunto é coisas polêmicas, o Facebook parece sempre estar do lado de ideologias progressistas. Tanto que a rede social é vista como uma rede social de esquerda, e ganhou o apelido de “Foicebook“. Mas o que poucos talvez saibam, é que a rede social é muito rígida quanto a veiculação de anúncios, e normalmente só aprova anúncios de assuntos legalizados. Para se ter uma ideia, existem pessoas que dizem que não conseguem aprovar nem mesmo a divulgação de lojas de roupas íntimas, caso a modelo esteja trajada com roupas íntimas. Mas o que impressiona é a veiculação de um anúncio de uma clínica de aborto que está causando alvoroço entre os usuários da rede social.

A clínica que parece não ser legalizada, não contém uma marca, uma logo, ou qualquer outra coisa a não ser uma foto de capa com dizeres feministas a favor do aborto, e como foto de perfil uma imagem da mulher gato. Como opções de contato a página divulga um Whatsapp e um email não profissional com a extensão do Gmail.

Vale lembrar que empresas médicas legais normalmente possuem no mínimo uma marca, e se mostram responsáveis, possuem informações sobre a empresa, sobre os procedimentos, possuem CNPJ e endereço. Já a clinica em questão diz apenas para você levar um acompanhante caso não se sinta segura.

Ao que tudo indica a propaganda veiculada no Facebook é de uma clínica clandestina, e sabemos dos riscos que as pessoas podem ter ao visitarem esses lugares.

Comentários e reações de raiva ao anúncio são nítidos, e as pessoas se questionam como o Facebook pode ter aprovado um tipo de anúncios desses.

Fizemos a nossa parte

Vale lembrar que o aborto é  crime no Brasil, previsto nos artigos 124 a 126 do Código Penal de 1940. A pena varia de um a três anos de prisão para a mulher que provocar aborto em si mesma ou deixar que alguem como um médico o faça. A pessoas que realizada o aborto em outra pessoa pode ser condenada de um a quatro anos de prisão. Existem, no entanto, três exceções previstas na lei: quando a gravidez traz risco à vida da gestante; quando a gestação é fruto de um estupro. Nestes casos, o aborto é permitido e o Sistema Único de Saúde (SUS) deve disponibilizar o procedimento; quando o feto é anencéfalo, segundo decisão tomada em 2012 pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Como forma de proteger os usuários contra esses perigos, a Seletronic denunciou a página ao Facebook e aguarda uma resposta.

Categorias